Boa noite!
22/09
 

Artigos

Voltar
Quinta-feira, 05 de janeiro de 2006 - 16h56m

Política Agrícola > Frutas

Bananas pra vocês



Por Roberto Jorge Sahium *

Para fazer um macaco feliz e bem sorridente, dê-lhe bananas, muitas bananas. Para fazê-lo furioso, fique bem escondido e no momento que a macacada se encontrar interdita no bananal chegue devagar e surpreenda-a na festança. O macaco mais velho da turma fica tão irritado que pega de varas todos os macaquinhos de cabo a rabo. É todos e todas saltando pra todo lado, pulando até em pé de macaúba com medo de peia. Aprontam uma correria de dar inveja em qualquer batida de fiscais sobre os camelôs de São Paulo.


Nós, Brasisguaranis comunens, também gostamos muito de bananas. É a fruta mais consumida no Brasil, dá até pra trocar por dólares nos paraísos fiscais, em especial nas Bahamas - não confundam com bananas.

Mas voltando ao passado e não muito longe, entre o início da década de 70 e final da década de 80, quando ainda éramos o Norte Goiano, graças à extensão rural e recursos do Polocentro - Programa para o Desenvolvimento do Cerrado, produzíamos muitas bananas. Era tanta banana que sobrava até pra macacada.

Eram bananais em todas as encostas de serras, nos mais variados cantos e recantos. Nessa época, é lógico, o povo ainda não sabia trocar bananas por dólares, mas quem tinha sua terrinha com bananais estava satisfeito. Foi o período em que nós, que labutávamos no campo, conhecemos o que era realmente Políticas Agrícolas para o setor agropecuário.

Para nossa tristeza, no final da década de 80, o ¹Mal do Panamá se espalhou por todos os bananais, transformando bananeiras em guarda-chuvas velhos, sem vida e com folhas queimadas. Exterminou quase todos os bananais da variedade maçã no Brasil e, aqui, não foi diferente: faltaram bananas inclusive pra macacada. Para minimizar o problema, foram introduzidas em substituição aos bananais velhos, variedades como Nanica, Nanicão, Prata e outras, todas resistentes ou tolerantes ao Mal do Panamá.

Mas tem um ditado popular que diz que coisa ruim nunca vem só, de forma que, para aumentar nossa tristeza, logo após o estabelecimento do Mal do Panamá, desembarcou no Tocantins a ²Sigatoka Amarela, onde, juntas, causaram estrago danado aos bananais. Aí não teve jeito, perdemos a referência de grande produtor de bananas do Brasil, perdemos produtividade, os produtores diminuíram a renda, dispensaram muitos trabalhadores, por fim muitos bananicultores transformaram bananais em pastagens e assim por diante.

Porém, a partir de 2003, com políticas publicas definidas pelo Governo do Tocantins para o setor de fruticultura, a cultura da bananeira entrou na prioridade a ser fomentada. Isto pela importância histórica que a banana tem de produzir e disponibilizar alimentos de alto valor nutricional ao alcance de pessoas de todas as camadas sociais; na geração de emprego e renda no campo, em especial ao segmento da agricultura familiar; aquececendo a economia das cidades com a venda em supermercados; frutarias; feiras livres; nas pequenas, médias e grandes indústrias; e pela grande oportunidade de alcançarmos os mercados internacionais, pois a banana é uma das frutas tropicais de destaque na cesta das exportações brasileira.

De forma que novos cultivares resistentes ao Mal do Panamá e a Sigatoka Amarela estão sendo introduzidos pelo Estado afora, em pólos matrizeiros, paralelamente à capacitação de técnicos, profissionalização dos produtores, quanto ao manejo integrado de pragas e doenças, melhoramento da apresentação e transporte das frutas. E, assim, a bananicultura revitalizada, encontrará nessa proposta mecanismo para incrementar ainda mais o Agronegócio Tocantinense, responsável direto pela circulação de 80% das riquezas do Estado.

Com relação a todas e todos, a nossa macacada encontrará seu cardápio principal e, sem dúvida, vai ter bananas nas suas dietas. Só não poderão trocar por dólares, pois está proibido tirar passaporte pra macacos e macacas. E assim, vamos ter muitas bananas pra vocês.

¹Mal-do-Panamá ou fusariose: doença causada por um fungo de solo o Fusarium oxysporum f. cubense. Surgiu no Brasil em 1.930 e até hoje não se descobriu como efetuar seu controle.

²Sigatoka Amarela: doença causado por o Mycosphaerella musicola/musae



* engenheiro agrônomo, mestre em irrigação e secretário da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado do Tocantins


Fonte: Página Rural
















© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r