Bom dia!
26/09
 

Artigos

Voltar
Quinta-feira, 06 de setembro de 2007 - 22h24m

Agricultura > Horticultura e Olerícolas

Tomate cereja: mais cor e sabor à mesa



Por Rosires Deliza *

O tomate cereja é reconhecido pelo excelente sabor e atrativa coloração vermelha e uniforme que lembra uma cereja, sendo muito utilizado na ornamentação de pratos. Desde 2002, o Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) estuda diversos acessos de tomate cereja produzidos em sistema orgânico. Até agora, mais de 40 acessos já foram plantados para avaliar o efeito de diferentes tratamentos na agricultura orgânica para controle de pragas e doenças.
Assim, tem-se selecionado os acessos mais promissores para a produção orgânica e para o cruzamento, visando o desenvolvimento de novas cultivares.




Este estudo é de responsabilidade da Eng. Agrônoma Mariella Camargo Rocha, Doutoranda em Fitotecnia da UFRRJ, sob a orientação da Profa Margarida Goréte Ferreira do Carmo e Co-orientação do Prof. Antonio Carlos de Souza Abboud, ambos do referido Departamento, e da pesquisadora Rosires Deliza, da Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro-RJ).

As pesquisas também focam as características sensoriais e nutricionais, pois, devido à grande diversidade no formato, cor, tamanho, sabor e textura dos frutos faz-se necessário identificar aqueles mais promissores sob a perspectiva do consumidor.

Testes preliminares realizados no Laboratório de Análise Sensorial e Instrumental da Embrapa Agroindústria de Alimentos, sob a coordenação da Dra Rosires Deliza, apontaram os 10 acessos preferidos pelo consumidor em relação à aparência: diversidade de cor (amarelo, laranja e amarronzado), forma (formato periforme, redondo e oblongo) e tamanho (grande e pequeno) dos frutos foram as características mais apreciadas.

Nesta etapa, destacaram-se o ENAS 1031, ENAS 1029, Perinha, Água Branca e Joana. Em seguida, os referidos acessos foram avaliados por uma equipe de provadores selecionados e treinados, a qual descreveu os frutos em termos de aparência, aroma, sabor e textura.

Cerca de 100 consumidores de tomate também os avaliaram e atribuíram notas em relação à preferência e intenção de compra. Os resultados revelaram notas altas para vários acessos, com destaque para o ENAS 1031 e ENAS 1029. Em termos nutricionais, além de ser considerado fonte das vitaminas A, B e C e de sais minerais com fósforo, ferro, potássio e magnésio, o tomate ENAS 1031, o qual possui formato oblongo e coloração vermelha, destacou-se também pelo elevado teor de licopeno, substância que atua como poderoso antioxidante de combate aos radicais livres que alteram o DNA e podem desencadear processos cancerígenos.

Nutritivo e apreciado pelos brasileiros, a presente pesquisa contribuirá para que seja orientada a produção e oferta ao mercado de diferentes variedades de tomate cereja, com distintas cores, formas e tamanhos para agradar a muitos e deixar nossas saladas mais coloridas e saudáveis.

Cultura do tomate
O tomate é a hortaliça mais produzida no país e nos últimos 25 anos cresceu cerca de 300%, com incremento na área plantada de 50% e ganhos de produtividade da ordem de 150%. Isto coloca o Brasil como o oitavo maior produtor mundial e o 11º em termos de produtividade.

Entretanto, apesar da elevada produtividade decorrente do esforço da pesquisa e desenvolvimento de tecnologias agronômicas, na safra de 2001, foram colhidas 15 milhões de toneladas, das quais perderam-se mais de cinco milhões toneladas, acumulando prejuízo de US$ 1.026 milhões (CEAGESP, 2001).

Entre as principais causas de perdas destacam-se as doenças tanto na pré como na pós-colheita. Por ser bastante susceptível às doenças, é a atividade agrícola que mais utiliza fungicida. Segundo a Academia Nacional de Ciências (1987), nove compostos oncogênicos constituem 90% dos fungicidas mais utilizados, sendo eles responsáveis por 60% dos riscos de câncer entre todos os pesticidas usados na produção de alimentos.

A utilização de produtos alternativos, estercos e outros compostos orgânicos apresentam-se como alternativas promissoras capazes de reduzir as quantidades de agroquímicos e fertilizantes químicos a serem aplicados. Diversos estudos têm sido realizados visando aumentar a produtividade e melhorar a aparência dos frutos, porém, com pouca ênfase para a qualidade em termos de sabor, valor nutricional e resíduos remanescentes nos frutos que possam ser nocivos à saúde.

* engenheira de alimentos, PhD. em Ciência dos Alimentos pela Universidade de Reading (Inglaterra) e pesquisadora da Embrapa Agroindústria de Alimentos, no Rio de Janeiro/RJ

E-mail: rodeliza@ctaa.embrapa.br


Fonte: Soraya Pereira
















© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r