Bom dia!
18/10
 

Artigos

Voltar
Quarta-feira, 10 de junho de 2009 - 19h54m

Animais > Ovinos

Abate Clandestino. Até Quando?



Imagens

Paulo Afonso Schwab

Foto: Divulgação



Por Paulo Afonso Schwab 


Noventa por cento dos abates de ovinos são feitos sem fiscalização sanitária. Esse número não está em nenhuma estatística oficial. É uma estimativa, um sentimento de todos que atuam no setor. Foi um dado apresentado inclusive na reunião da Câmara Setorial da Ovinocaprinocultura do Paraná, realizada durante a ExpoLondrina em abril deste ano. Um número destes ou mesmo próximo é assustador para quem quer estabelecer um processo contínuo de produção de carne e, também atender a um mercado consumidor em crescimento. É um número alarmante porque mostra o quanto as estruturas oficiais de fiscalização estão longe de conseguir terminar com este problema, ou mesmo controlá-lo a ponto de diminuir sua incidência. E o mais chocante também é que este é um problema nacional.

Sabemos que é uma luta difícil, de grande trabalho para todos. Até porque, as vezes, o processo começa no momento da comercialização do produto. Muitas vezes o produtor de cordeiro recebe oferta para seu produto, com valor bem superior ao do Frigorífico, com pagamento a vista, não importando se serão 10 ou cinco animais. O abatedouro, com todas as suas responsabilidades e custos, não consegue competir em preço neste mercado. Gerando este problema que é o abate clandestino. Um cenário que precisamos mudar, de qualquer jeito.

Até porque uma das conseqüências deste problema são os riscos à saúde humana. Uma das principais doenças dos animais domésticos encontradas pela inspeção sanitária em matadouros é a Tuberculose, que pode ser transmitida pela ingestão de carnes; esta doença é bacteriana. Existem também as parasitárias como as cisticercoses, que podem transmitir as tênias para o ser humano e também cisticercos que se alojam no músculo e órgãos. Há também outras doenças transmissíveis ao homem, via animais, como as Toxi infecções e a hidatidose. Todas são evitadas quando a fiscalização detecta o problema dentro dos frigoríficos e abatedouros com inspeção sanitária oficial.

Somos uma entidade que buscamos de várias formas, organizar a cadeia produtiva da ovinocultura. E se lutamos por isto, devemos ter claro quais são os principais nós que impedem o crescimento sustentado do setor. Sabemos que o abate clandestino é um destes nós. Ele afeta também a cadeia bovina e deixa graves prejuízos para todos. O complicador desta questão é que é uma atividade silenciosa, onde nem sempre se consegue encontrar os causadores. Mas penso que já é hora de realmente discutirmos com seriedade esta questão, com todas as forças da sociedade. Porque isoladamente não vamos longe. Precisamos ver quais as soluções práticas que temos e realmente passar a agir para resolver isto, de uma ver por todas. E já não dá mais para protelar. A hora é agora!


Médico veterinário, agropecuarista e criador de ovinos em Cachoeira do Sul/RS. É presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Ovinos (Arco).

E-mail: paschwab@terra.com.br


Fonte: Agropress
















© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r