Boa noite!
16/12
 

Artigos

Voltar
Terça-feira, 22 de dezembro de 2009 - 11h00m

Agricultura > Sementes

Semente pirata: o barato que sai caro



Imagens

Caroline Jácome Costa

Foto: Divulgação / Embrapa Cerrados



Por Caroline Jácome Costa

A semente é um dos principais veículos de tecnologia, que passa a ser disponibilizada ao produtor a baixo custo e garante o estabelecimento de plantas adaptadas aos mais variados ambientes e estresses bióticos e abióticos. Isso pode ser comprovado pela relação direta entre a taxa de utilização de sementes e os índices de produtividade registrada para as principais culturas.

No caso da soja, por exemplo, a produtividade registrada no Estado do Mato Grosso, que apresenta uma taxa de utilização de sementes superior a 90%, foi de 3,1 t/ha na safra 2007/2008. Entretanto, no Estado do Rio Grande do Sul, cuja taxa de utilização de sementes é de apenas 30%, a produtividade registrada no mesmo período foi de 2,0 t/ha.

Todavia, desde a aprovação da nova Lei de Sementes, em 2003, e de sua regulamentação, em 2004, a taxa de utilização de sementes certificadas das principais culturas vem caindo. No último Congresso Brasileiro de Sementes, ocorrido de 31 de agosto a 3 de setembro de 2009, em Curitiba (PR), o pesquisador da Embrapa Soja, José de Barros França Neto, destacou que “a nova lei abriu a possibilidade de produção de sementes próprias sem definir limites claros para essa produção, o que acabou estimulando alguns produtores a entrar na ilegalidade, porque além de produzir grãos para consumo próprio, passaram a comercializar para terceiros”.

Assim essa nova situação vem estimulando o desenvolvimento de um sistema de produção de sementes paralelo ao sistema formal, com graves consequências do ponto de vista técnico, econômico e dos investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento, sobretudo relacionada ao lançamento de novas cultivares.

Motivada por uma economia que muitas vezes não atinge 5 % do custo de produção, a utilização de sementes piratas pelo agricultor compromete não apenas o retorno de seus investimentos, mas, também, a continuidade dos programas de melhoramento genético, limitando o lançamento de cultivares superiores, mais adaptadas aos diversos ambientes e tolerantes ou resistentes às principais pragas e doenças.

Não se pode deixar de mencionar o risco de introdução de pragas e doenças em áreas indenes, o que pode inviabilizar seu potencial de produção futura. O recrudescimento de doenças já banidas em algumas culturas de importância econômica, como /Cercospora sojina/ (mancha olho-de-rã) em soja e a disseminação de /Sclerotinia sclerotiorum/ (mofo branco) em áreas livres da doença já foram relatados como consequências da utilização de sementes piratas.

O Brasil conta com uma indústria de sementes bem estabelecida, amparada por excelentes instituições públicas e privadas de pesquisa e por um sistema legal que, embora ainda apresente falhas, está comprometido com a qualidade do produto ofertado no mercado. A opção pela utilização de sementes de qualidade superior deve ser, portanto, o ponto de partida para a sustentabilidade do agronegócio.


Engenheira agrônoma, doutora em ciência e
tecnologia de sementes e pesquisadora da Embrapa Cerrados - Planaltina/DF
E-mail:
caroline.costa@cpac.embrapa.br


Fonte: Embrapa Cerrados
















© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r