Boa noite!
16/12
 

Artigos

Voltar
Segunda-feira, 28 de dezembro de 2009 - 07h57m

Agronegócio > Economia

Retomada do crescimento da agropecuária



Imagens

Luiz Antonio Pinazza

Foto: Divulgação



Por Luiz Antonio Pinazza

O ano de 2010 será marcado pela recuperação dos resultados da agropecuária brasileira, tanto em volumes produzidos e comercializados, como em faturamento e crescimento da receita.

Os bons sinais já surgem nas perspectivas quanto ao comportamento do Valor Bruto de Produção (VBP) do setor agropecuário em 2010, com projeção de aumento de 5,13% na comparação com 2008. Sozinho, em 2010, o VBP da agricultura deverá crescer em 5,9%, enquanto o da pecuária em 3,9%.

O aumento da área plantada e da produção, além da recuperação de preços de alguns produtos agropecuários, aumentará o VBP, embora sem alcançar os mesmos níveis do pico de preços do começo de 2008.


Valor Bruto da Produção da Agropecuária - R$ bilhões
Fonte: CNA

Apesar da expectativa de recuperação, o setor não deve esperar grandes margens na comercialização. Valorizado, o real, além de comprometer parte do resultado do produtor, ocasionará perda de competitividade do produto nacional no mercado externo. Outros fatores podem impactar na produtividade das lavouras, como o clima e o grau de incidência de pragas e doenças.

Entretanto, se confirmar a expectativa de recuperação, a economia mundial gerará aumento do consumo de alimentos, apesar do consumo interno ser importante fator de sustentação de preços.

Apesar do cenário não ter sido negativo para todas as cadeias produtivas, as exportações do agronegócio brasileiro poderão encerrar 2009 com queda de 10,93% na receita, quando comparado a 2008. Para 2010, as expectativas são de retomada e as exportações poderão atingir US$ 65,3 bilhões.

Exportação do Brasil e agronegócio - US$ bilhões

Fonte: MDIC/CNA

No balanço, 2009 não foi tão ruim como apontavam as projeções do início do ano. Os pacotes de auxílio adotados pelos governos ao redor do mundo reaqueceram a produção e a renda. Seria bastante difícil repetir os resultados de 2008, quando os preços dos produtos agrícolas bateram recordes históricos no mercado mundial e o clima foi favorável no Brasil.

Dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP) mostram até setembro um quadro negativo para o agronegócio, com queda de 5,18% do Produto Interno Bruto (PIB) do conjunto do agronegócio.

Em 2009, o PIB do agronegócio deverá atingir a marca perto da obtida em 2007, mas 7,2% menor do registrado em 2008. Sozinhos, os PIB´s do agronegócio da agricultura e da pecuária deverão recuar, respectivamente, 7,3% e 7,0%.

A crise financeira global refletiu no desempenho do agronegócio. Para o PIB total brasileiro, há estimativa de crescimento ligeiramente superior a zero em 2009. Os setores da indústria e da distribuição vinculadas à atividade agropecuária também sofreram neste ano.

Além disso, o setor produtivo rural enfrentou problemas como endividamento elevado, escassez de crédito, disparada dos custos de produção no momento do plantio, que prejudicaram o cultivo da última safra. Os agricultores brasileiros, pressionados por um cenário de restrições internas e externas, optaram por uma lavoura de menor nível tecnológico, com redução na oferta final de grãos.

Felizmente, a agropecuária ingressa em 2010 com claros indicativos de que já foi iniciado o processo de recuperação da atividade. Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimam uma colheita de 140,5 milhões de toneladas de grãos, que será a segunda maior safra da história. Vamos torcer para que as estimativas se confirmem.


Engenheiro agrônomo e diretor da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag)


E-mail: pinazza@abag.com.br


Fonte: Abag
















© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r