Bom dia!
11/12
 

Artigos

Voltar
Segunda-feira, 12 de abril de 2010 - 17h06m

Biotecnologia > Transgênicos

Benefícios dos transgênicos chegam à população



Por Alda Lerayer

As vantagens do milho resistente a insetos estão aparecendo muito claramente para os agricultores brasileiros. Basta dizer que, na última safra de inverno, 19% da área total da cultura já foram plantadas com variedades Bt, aquelas que foram geneticamente modificadas para ficar resistentes ao ataque de lagartas, segundo estimativa da consultoria em agronegócios Céleres. E a safra 2008/2009 foi apenas a primeira após a liberação comercial das primeiras sementes Bt. Para a safra de inverno 2010, cujo plantio já foi iniciado, estima-se que 53% do milho produzido no País serão geneticamente modificados. A rápida adoção reflete os benefícios econômicos e de manejo dessa cultura para os agricultores.

Mas, em 2010, ficará claro também para os consumidores um benefício até agora pouco destacado dos milhos Bt. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está estabelecendo limites máximos de micotoxinas – substâncias tóxicas produzidas por fungos – em 16 alimentos, inclusive no milho. O que isso tem a ver com as variedades Bt? Diversos estudos realizados pelo mundo demonstraram que elas apresentam, naturalmente, teores 20% mais baixos de micotoxinas.

As micotoxinas são produzidas por fungos que se alimentam do milho, e que, muitas vezes, se aproveitam dos furos feitos pelos insetos para adentrar a planta. Como sofre menos ataques de insetos, o milho Bt fica menos danificado e tem, assim, menor incidência de fungos.

A medida da Anvisa vai obrigar a indústria alimentícia a estabelecer formas de controle rigoroso da presença de micotoxinas nos alimentos. Até agora, por mais contraditório que possa parecer, apenas o milho para ração tinha que seguir limites dessas toxinas, porque uma portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento já havia estabelecido regras de micotoxinas na alimentação animal. No caso do milho para alimentação humana, o limite proposto pela agência é, por exemplo, de 2 mil microgramas de fumonisina (um tipo de micotoxina) por quilo do produto. A Anvisa ressalta que o milho em grão não passa por nenhum processamento que possa reduzir o teor de fumonisina. Mas é justamente nessa substância que o milho Bt mais apresenta redução em relação a variedades convencionais.

Isso leva a uma outra questão importante. Além de limites de micotoxina para o milho em grão, a Anvisa está estabelecendo limites muito inferiores para os alimentos produzidos a partir desse grão. E não poderia ser diferente, afinal essas toxinas podem causar problemas graves de saúde e estão relacionadas até à ocorrência de câncer, de acordo com a Vigilância Sanitária. Os alimentos infantis à base de milho não poderão apresentar mais de 200 microgramas de fumonisinas por quilo, por exemplo. Portanto, as indústrias de alimentos terão que ser bastante rigorosas na compra do milho que utilizam como matéria-prima. Ou seja: ainda que o limite máximo de fumonisina para o milho em grão seja de 2 mil microgramas por quilo, as indústrias poderão exigir dos seus fornecedores níveis inferiores a esse, que garantam que seu produto final não ficará acima dos limites permitidos.

Além disso, pesa ainda o fator armazenagem. Depois que um carregamento de milho é adquirido, os fungos podem continuar se reproduzindo nos armazéns das indústrias. Quanto mais baixo o teor de micotoxinas, mais segura a empresa pode ficar de que não terá que descartar parte da matéria-prima que adquiriu. Uma boa secagem e condições de armazenagem sem umidade são as melhores maneiras de evitar que as micotoxinas aumentem no grão após a colheita. Contudo, condições climáticas, como anos excepcionalmente chuvosos – a exemplo de 2009 e começo de 2010 –, complicam o controle da reprodução dos fungos na pós-colheita.

A presença de micotoxinas é uma questão de segurança alimentar. A pesquisadora Felicia Wu, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, publicou um trabalho sobre a redução de micotoxinas no milho Bt, em que afirma que “em países menos desenvolvidos, onde certas micotoxinas são contaminantes significativos dos alimentos, a adoção do milho Bt, por causa de sua redução nas micotoxinas, pode até melhorar a saúde humana e animal”.

Outro componente importante é a questão comercial. O próprio Brasil já teve cargas de café recusadas na Europa por conta de teores de micotoxinas além dos aceitáveis pelas empresas importadoras, de acordo com Marta Taniwaki, do Ital. Com uma posição mais consolidada como exportador no mercado mundial de milho, o Brasil precisa estar atento à questão das micotoxinas para não sofrer nenhum tipo de retaliação.

O milho Bt, portanto, vai dar mais segurança ao agricultor de que seu produto será recebido pela indústria alimentícia – seja no Brasil ou no exterior. Mas o produtor rural também já começou a ver este tipo de vantagem no milho Bt antes mesmo da nova decisão da Anvisa. Acontece que as indústrias e tradings que adquirem o milho já fazem uma análise dos chamados grãos ardidos – aqueles que foram danificados pela ação de fungos. Em geral, os compradores começam a penalizar financeiramente o agricultor caso o seu carregamento tenha mais de 6% de grãos ardidos. No Triângulo Mineiro, região em que a incidência de grãos ardidos atinge constantemente o nível de dano econômico, muitos produtores mais tecnificados já plantaram na safra 2009/2010 o máximo possível de sua área de milho com sementes Bt. A expectativa é não só evitar que seu milho sofra descontos quando for entregue, mas diminuir os custos de manejo necessários para que sua safra não supere os 6% de grãos ardidos.


Diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB).
Professora, engenheira agrônoma com mestrado em Microbiologia Agrícola, doutorado em Genética e Melhoramento de Plantas e Microrganismos e pós-doutorado no Laboratoire de Génétique Microbienne.


E-mail: alda.lerayer@cib.org.br


Fonte: Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB)
















© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r