Boa tarde!
17/07
 

Notícias

Voltar
Quinta-feira, 10 de junho de 2010 - 08h23m

Agronegócio > Leite

SP: oferta menor e crise reduzem o consumo de leite longa vida



São Paulo/SP

O consumo de leite longa vida no Brasil em 2009 frustrou as expectativas das indústrias do setor e registrou um recuo de 0,9% , saindo de 5,308 bilhões de litros para 5,262 bilhões de litros, estima a Associação Brasileira da Indústria de Leite Longa Vida (ABLV). A expectativa da entidade era de um avanço de ao menos 3% sobre 2008.

"O ano que passou foi atípico para o leite de consumo", afirma Nilson Muniz, diretor-executivo da ABLV, referindo-se ao leite consumido como bebida. Segundo ele, o recuo na oferta de matéria-prima nos primeiros sete meses de 2009 levou à redução na produção de longa vida.

"Nos estabelecimentos com inspeção [federal] houve uma queda de 4,5% no recebimento de leite", observa. A razão para a oferta menor foi que os preços baixos da matéria-prima, no segundo semestre 2008, desestimularam a produção de leite pelos pecuaristas.

Além da produção menor e consequente alta das cotações do longa vida, a crise mundial do segundo semestre de 2008 também acabou se refletindo na demanda no começo de 2009, de acordo com Muniz.

Ele explica que houve recuperação do recebimento de leite pela indústria a partir de julho de 2009 - a alta foi de 10% -, mas o volume não foi suficiente para sustentar o crescimento da produção do longa vida. Nesse segmento, leite produzido é leite consumido.

Conforme a estimativa da ABLV, a produção de leite com inspeção cresceu 1,6% em 2009, alcançando 19,597 bilhões de litros. Esse volume inclui a produção de longa vida, pasteurizado, leite em pó e outros derivados. O volume total de leite no país (inspecionado e informal) foi de 27,440 bilhões de litros, queda de 0,5% em relação a 2008.

Enquanto o consumo de longa vida recuou, o de leite em pó subiu no ano passado no país - 12,1%, para o equivalente a 2,6 bilhões de litros -, reflexo da maior oferta no mercado doméstico por conta da queda das exportações do produto.

O retrato para este ano, diz Muniz, é diferente do ano passado. Há expectativa de um aumento da oferta total de matéria-prima, na casa dos 5%, após uma melhora nos preços ao produtor a partir do fim de 2009 e que ainda persiste.

De fato, preços mais valorizados estimulam os pecuaristas a elevarem o investimento na alimentação do gado leiteiro, aumentando assim a produção. Essa "gangorra" na oferta já é tradicional no setor de leite, mas Muniz espera "maior regularidade" este ano.

Para o consumo de leite longa vida, também há expectativa de recuperação, com elevação de 3% a 5% no consumo. "A renda está firme em 2010 e temos observado aumento de consumo", argumenta o diretor da da ABLV.

Já o consumo de leite pasteurizado deve continuar com um decréscimo lento este ano, estima a ABLV, enquanto a tendência para o leite em pó é de "estagnação com viés de queda".

O diretor da associação também chama a atenção para o aumento do consumo da bebida produzida informalmente em 2009, outro reflexo da crise econômica. No ano passado, foram 1,9 bilhão de litros, alta de 1,1%, estima a ABLV. "Há três, quatro anos, ocorria uma queda do leite informal, mas aumentou em 2009. Deve voltar a cair", prevê.

Alda do Amaral Rocha


Fonte: Valor Econômico














© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r