Boa tarde!
15/08
 

Notícias

Voltar
Quarta-feira, 16 de junho de 2010 - 07h55m

Agronegócio > Carnes

SP: carne bovina rastreada chega às gôndolas



Sustentabilidade: Produto do Pão de Açúcar tem selo 2D pelo qual consumidor acompanha o "caminho" do boi.


São Paulo/SP

Os primeiros lotes de carne bovina rastreada chegam hoje às prateleiras de alguns supermercados do país. O produto, lançado pelo Grupo Pão de Açúcar, contará com um selo 2D, pelo qual o consumidor poderá acompanhar o processo da cadeia produtiva da carne - do nascimento e engorda até o abate e a desossa dos animais.

Com investimentos de R$ 500 mil, o projeto de rastreabilidade teve início há três anos e abrange atualmente 40 fazendas. A carne rastreada é exclusiva para a linha Taeq, a marca própria do grupo.

Em entrevista ao Valor, Vagner Giomo, gerente de carnes do Pão de Açúcar, disse que o programa é bom para as três partes envolvidas - o produtor, o consumidor e a rede varejista. "O produtor tem garantia de compra, o varejista garantia de entrega e o consumidor ganha com a transparência", afirmou o executivo.

A etiqueta com código alfanumérico estará nas embalagens de terneiro (bezerro) e novilho, carnes macias e com menor quantidade de gordura. As informações funcionam a partir de um aplicativo para smartphones com leitor 2D ou pela internet, com a inserção do código do produto.

Neste primeiro momento, disse Giomo, o consumidor poderá acessar as informações básicas de procedência da carne - é possível visualizar até a propriedade rural de onde o animal saiu. Mas a ideia é avançar com as informações, incluindo dados como Reserva Legal da fazenda e água.

Segundo o executivo, a iniciativa é parte da política de sustentabilidade do grupo. Ele acrescentou, porém, que a pressão do mercado influenciou. "O consumidor vai saber de onde vem a carne que ele está comendo".

A pressão existe. Após uma ação do Ministério Público Federal do Pará e acusações do Greenpeace, os grandes varejistas concordaram a não comprar produtos oriundos de zonas desmatadas na Amazônia - o projeto de rastreabilidade do Pão de Açúcar extrapola para outros biomas.

Para o produtor Marcelo Pimenta, proprietário da Fazenda Santa Vitória, localizada em Bela Vista de Goiás, no Cerrado, a experiência é boa para o ambiente e para o seu bolso. Ele tem 750 vacas inseminadas, cujos bezerros e novilhos serão fornecidos com exclusividade ao grupo. Pelo contrato, ele receberá do frigorífero o preço máximo do dia cotado pela Esalq -na segunda, isso significou R$ 78 por arroba.

"A garantia de venda pelo preço máximo fez o negócio crescer. Comecei entregando 100 cabeças ao Pão de Açúcar em 2006, e terei 900 na próxima estação".

Assim como os demais pecuaristas que aderiram ao programa, Pimenta diz ter a totalidade da Reserva Legal, exigida por lei, averbada em cartório.

Ao todo, o programa tem 40 mil vacas inseminadas para produção. A carne Taeq tem toda cadeia produtiva controlada - do processo de seleção genética, alimentação, vacinação até o abate.

A linha busca o mercado de ponta e não chega a 5% do volume total de carne bovina comercializado pelo grupo. O selo está disponível em oito lojas em São Paulo, Rio, Fortaleza e Brasília.

Bettina Barros


Fonte: Valor Econômico














© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r