Boa tarde!
19/07
 

Notícias

Voltar
Quinta-feira, 17 de junho de 2010 - 08h12m

Agroindústria > Cana-de-Açúcar

SP: em ritmo chinês, Copersucar deve faturar R$ 10 bi



São Paulo/SP

Alternativa de peso ao acelerado processo de consolidação no segmento sucroalcooleiro brasileiro, a Copersucar, maior comercializadora de açúcar e etanol do país, já avança em um ritmo de causar inveja até aos chineses.

No início da safra atual, em maio, a empresa já anunciava que comercializaria neste ano açúcar e álcool resultantes do processamento de 105 milhões de toneladas de cana de suas usinas associadas e não associadas.

Ontem, um mês depois, a companhia anunciou outro novo associado, o grupo Clealco, que adicionará em produtos o equivalente a 9 milhões de toneladas de cana processada, ampliando o volume total para 114 milhões.

Desde a safra 2008/09, quando o movimento de consolidação do segmento sucroalcooleiro se acelerou, a Copersucar já agregou a comercialização de açúcar e álcool de usinas que somam capacidade de moagem de 46 milhões de toneladas de cana, mais que o dobro de companhias do porte da então gigante Santelisa Vale, vendida em 2009 para o grupo Louis Dreyfus.

Com isso, a ex-cooperativa se consolida com 19% de todo o mercado do Centro-Sul do Brasil, que deve moer em torno de 600 milhões de toneladas neste ciclo.

Ainda com projeções altistas para o açúcar, a empresa espera faturar a marca histórica de R$ 10 bilhões nesta safra, ante R$ 8,2 bilhões na temporada 2009/10. Estes números podem mudar, pois a Copersucar negocia outras adesões e vê reais oportunidades para reunir mais associados que adicionem entre 15 milhões e 20 milhões de toneladas de cana em produtos, segundo Luis Roberto Pogetti, presidente do conselho de administração da empresa.

Em números, a expertise da Copersucar em comercialização e logística se expressa no prêmio pago às usinas associadas pelos produtos vendidos. Além do valor de mercado, ao final da safra a empresa remunera as parceiras com bônus, conforme os ganhos adicionais obtidos na venda. Historicamente, esse prêmio transita entre 2% e 3%, mas a maximização dos ganhos com açúcar e etanol fez com que na safra 2009/10, encerrada em abril, este percentual subisse para 5%, de acordo com Paulo Roberto de Souza, CEO da Copersucar.

Resumidamente, a estratégia aproveita infraestrutura e força de capital para carregar estoques e vender nos melhores momentos, inclusive no açúcar. "Ficamos fora do mercado de etanol em grande parte da safra. Quando o álcool atingiu o nível mais baixo, de R$ 580 por metro cúbico, aproveitamos para entrar comprando", diz Souza. Sobre o açúcar, o CEO também se esquiva dos números, mas conta um pouco da estratégia.

"Grande parte das empresas do segmento que tem gestão de risco deixa para vender 90% do açúcar durante o período de moagem. Somente as mais capitalizadas carregam produto para o fim da safra. Não vou dizer que fixamos 100% do açúcar a 24 centavos de dólar, mas quando as cotações atingiram esse patamar, não tivemos restrição de crédito para hedge", afirma.

O retorno positivo aos associados pode gerar nova onda de investimentos, mas após a consolidação dos investimentos já feitos, segundo Pogetti. "De 2008/09 para cá, nossos associados construíram oito usinas a partir do zero (greenfield), sem contar as ampliações nas usinas já existentes. Agora, é hora de absorver esses ativos", diz Pogetti.

Empresa amplia logística ferroviária
A Copersucar estreia nesta safra a operação do terminal ferroviário que adquiriu no primeiro trimestre da dissolvida Crystalsev, trading que tinha como principais controladores a Santelisa Vale, comprada pela multinacional francesa Louis Dreyfus. O terminal fica em Ribeirão Preto (SP), é atendido pela Ferrovia Centro-Atlântica ( FCA ) e tem capacidade estática de 20 mil toneladas de açúcar - movimentação de cerca de 500 mil toneladas por ano. A Copersucar pagou pela estrutura R$ 10 milhões e está investindo neste momento R$ 5 milhões adicionais para ampliar a capacidade estática em mais 50 mil toneladas.

A logística é ponto-chave na estratégia de comercialização da Copersucar, tanto que a empresa gesta um projeto bilionário nesta área, ainda guardado às sete chaves. Luis Roberto Pogetti, lembra que o modelo Copersucar tem como diferencial ao associado a integração de todas as fases da cadeia do açúcar e do álcool.

"A atividade da usina da porta para dentro é de responsabilidade da usina que tem toda autonomia de decisão. Mas a Copersucar mostra às associadas quais tendências do mercado para ajudar na decisão do mix, também a motiva a aprimorar qualidade e especializar a produção para atender mercados específicos", conta.

Paulo Roberto de Souza, CEO da Copersucar, exemplifica o nicho do açúcar VVHP, com qualidade superior ao do VHP tradicional, o que lhe dá como diferencial a redução no custo de refino. "Por essas características, esse produto recebe prêmio de, em média, 20 a 30 centavos de dólar por libra-peso no preço", diz . 

Fabiana Batista


Fonte: Valor Econômico














© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r