Bom dia!
16/12
 

Notícias

Voltar
Domingo, 27 de junho de 2010 - 17h57m

Política Agrícola > Arroz

RS: arrozeiros querem R$ 30,00 pelo arroz e iniciam mobilização



Cachoeira do Sul/RS

Três ações foram aprovadas em assembléia geral realizada em Cachoeira do Sul (RS) neste sábado (26) pelos produtores de arroz do Rio Grande do Sul: eles decidiram suspender as vendas de arroz em casca abaixo de R$ 30,00, comercializar o cereal nas bolsas de mercadorias e dar início as mobilizações do setor produtivo.

A primeira manifestação será no dia oito de julho e levará 2 mil produtores de arroz a uma Audiência Pública em Porto Alegre.

O fórum, solicitado há vinte dias pela Federarroz, será promovido pela Comissão da Agricultura da Assembléia Legislativa e discutirá os problemas na comercialização do arroz na safra 2009/2010, mostrando aos parlamentares, a opinião pública e a sociedade gaúcha e brasileira o descaso e abandono do setor produtivo gaúcho pelo governo federal, pois mesmo com o prejuízo ocasionado pelo clima aos produtores, acima de 1,2 milhões de toneladas, depreciação abusiva do produto imposta pelo Setor Industrial e depressão dos preços, hoje abaixo do preço mínimo e do custo de produção, os produtores até o momento não tiveram nenhuma medida de apoio do governo.

“De dezembro passado até agora já estivemos quinze vezes em Brasília, junto com produtores, prefeitos, parlamentares e entidades do setor, e apesar haver recursos é difícil de acreditar, mas o governo resiste em largar os mecanismos de comercialização, socorrer os agricultores atingidos pelas enchentes nesta safra e elevar a TEC, posição avalizada por todo Mercosul, e proteger seus filhos que são produtores de alimentos”, reclamou Renato Rocha.

A assembléia geral da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) reuniu 250 lideranças do setor, de 25 municípios gaúchos. Os produtores decidiram buscar o preço meta de R$ 30,00, valor próximo ao custo de produção, suspendendo as operações de venda abaixo destes patamares. Ao mesmo tempo, a Federarroz decidiu conveniar com as bolsas de mercadorias para promover leilões privados de arroz em casca, abertos a compradores de todo o Brasil, como forma de buscar valores mais próximos ao custo de produção e driblar prática leonina das Indústrias.

A Federarroz ainda convidará outras cadeias produtivas para participar da manifestação do oito de julho, como a soja, o trigo, o milho, o vinho e o leite e de forma conjunta neste mesmo dia definirá a manifestação seguinte, para cobrar ações eficientes do governo federal que proporcionem renda aos produtores. Renato Rocha, presidente da Federarroz, explicou que o setor demanda a operacionalização dos leilões de contratos de opção, liberação de recursos para o PAA, o AFG, o Prop e PEP – para escoamento da exportação – e elevação da TEC, para a sustentação de preços de comercialização.

Também é solicitado o adiamento dos investimentos e custeios prorrogados, vencidos ou a vencer em 2010, e troca da fonte de recursos do Produsa (do Bndes para Tesouro Nacional) para não impactar no risco e capacidade de pagamento dos produtores ao acessarem o custeio para a próxima safra.


Fonte: Federarroz














© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r