Boa noite!
16/08
 

Notícias

Voltar
Quarta-feira, 30 de junho de 2010 - 19h40m

Agroindústria > Economia

DF: Seae propõe restrições mais brandas para a fusão da Sadia com a Perdigão



Brasília/DF

Com base nas sugestões do Ministério da Fazenda, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pode flexibilizar o acordo provisório que impôs restrições à fusão entre as fabricantes de alimentos Sadia e Perdigão. A informação foi dada pelo secretário de Assuntos Econômicos do ministério, Antônio Henrique Silveira.

Ontem (29), a Secretaria de Assuntos Econômicos (Seae) divulgou parecer sobre a fusão. O órgão aprovou a união das duas empresas, mas propôs restrições como o licenciamento e a venda de marcas e ativos industriais para reduzir o poder econômico da nova empresa e garantir a competição.

Segundo o secretário, o Cade pode rever alguns termos do acordo assinado no ano passado, que impede a fusão enquanto a operação estiver em análise pelo conselho. “É possível que, nos mercados em que a Seae constatou que não há risco para a competição, o Cade autorize as empresas a unificarem operações”, afirmou Silveira.

A fusão entre Sadia e Perdigão foi anunciada em junho do ano passado. No mês seguinte, o governo começou a analisar a unificação e o Cade firmou um acordo que restringe os efeitos da operação comercial. Em janeiro, o conselho havia flexibilizado o acordo, permitido que as empresas fizessem exportações em conjunto e padronizassem os contratos com os fornecedores. Outras medidas continuam restritas.

Depois de analisar a fusão por mais de um ano, a Seae aprovou a operação com restrições. Para a secretaria, os danos à concorrência podem ser minimizados com o licenciamento, por cinco anos, de algumas das principais marcas das duas companhias e com a venda de máquinas e unidades industriais voltadas para a produção de alimentos que levam essas marcas. O órgão recomendou ainda que a nova empresa se desfaça de cinco marcas secundárias de carnes e laticínios, e de três marcas de margarina adquiridas da Unilever, também acompanhada da venda de ativos industriais.

A Seae analisou 21 mercados em que a Sadia e a Perdigão atuam. O órgão constatou que, com a fusão, a participação ficará acima de 20% em 15 mercados: três de alimentos in natura e 12 de alimentos processados. A Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça também deve emitir parecer sobre o acordo comercial. Os dois documentos servirão de subsídio para o julgamento do Cade, que não tem prazo para tomar uma decisão.

As ações da Brazil Foods, empresa que reúne a Sadia e a Perdigão, caíram 6,32% hoje na Bolsa de Valores de São Paulo. Foi a maior queda do dia entre as ações que compõem o índice Ibovespa, que fechou em baixa de 1,68%.


Fonte: Agência Brasil














© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r