Boa tarde!
19/07
 

Notícias

Voltar
Terça-feira, 06 de julho de 2010 - 07h32m

Agronegócio > Suínos

PR: mais rentável, suinocultura planeja ampliar negócios



Curitiba/PR

Há dois anos, a suinocultura começava a sair do vermelho quando foi pega de surpresa pela crise de 2008/09. Agora, passada a tormenta financeira que assolou economias, o setor retomou o fôlego e quer voltar a crescer. A Associação Brasileira da In­­dústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs) projeta aumento na produção nacional e nas exportações do setor, que devem atingir 650 mil toneladas, 7% mais que em 2009.

Embora tenha recuado em volume nos primeiros cinco meses do ano, o desempenho das exportações é visto como positivo. As vendas caíram 7%, mas os preços médios subiram 23%, incrementando em 13% a receita bruta do setor. Entre janeiro e maio, o Brasil exportou 222,7 mil toneladas de carne suína e faturou US$ 544 milhões, conforme o Ministério da Agricultura, Pecuá­­ria e Abastecimento (Mapa).

Resultado ainda melhor é registrado no Paraná, o terceiro maior produtor e exportador de suínos do país. O estado exportou 33% mais e, com preços 25% superiores, ganhou 66% em faturamento nos primeiros cinco meses de 2010. Foram 23,2 mil toneladas e US$ 54,5 milhões. Com o crescimento, a participação paranaense nos embarques brasileiros de carne suína passou de 7% no ano passado para 10%.

“Ainda não recuperamos a posição que tínhamos no mercado exportador antes da crise da aftosa, mas estamos crescendo”, observa Ana Paula Brenner Busch, técnica do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual da Agri­­cultura e do Abastecimento (Seab). Em 2005, o Paraná tinha 15% do mercado nacional no exterior.

O impulso para a retomada vem da Rússia, um dos maiores consumidores de carne suína do mundo. Com a economia fortemente abalada pela crise, o país reduziu suas importações, chegando a cancelar contratos. Agora os russos voltam a comprar volumes significativos. Quase metade da carne suína exportada pelo Brasil até maio teve como destino o mercado russo.

No Paraná, a Rússia passou da segunda para primeira colocação no ranking de importadores do setor. Os compradores russos pagaram aos exportadores paranaenses preços 59% melhores, engordando em 276% a receita do setor. Até maio, o país comprou 7,7 mil toneladas do produto e rendeu ao estado US$ 20,8 milhões.

No campo, as cotações se recuperam de forma mais lenta, pondera Ana Paula. “O preço ao produtor está se recuperando, mas ainda não está tão alto quanto deveria estar para o inverno, que é uma época de maior consumo no mercado interno”, observa. Entre janeiro e maio de 2010, os valores recebidos pelos suinocultores paranaenses subiram em média 15%, conforme levantamento do Deral. Atualmente, o suinocultor paranaense recebe em média R$ 2,10 pelo quilo do suíno vivo.

“Para o produtor, não interessa em que nível esteja o preço. O que não pode é oscilar demais. E há três ou quatro meses o mercado está relativamente estabilizado. Isso é bom porque permite planejar a atividade e projetar rentabilidade”, avalia Carlos Francisco Gesdorf, presidente da Associação Paranaense de Sui­­nocultores (APS).


Novos mercados devem ficar para 2011, prevê a Abipecs
Fora do grande mercado de exportação de carne suína desde outubro de 2005, quando a suspeita de focos de febre aftosa no Paraná e Mato Grosso do Sul derrubou em 15% as vendas de carne suína do Brasil, a região Cen­­tro-Sul busca alternativas para recuperar o espaço perdido e até ampliar a sua participação no comércio internacional. Para a Associação Brasileira da Indús­­tria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), 2011 promete ser o ano da virada.

“Tivemos grandes avanços institucionais neste ano, mas os avanços comerciais vão ficar para 2011”, diz Pedro de Camar­­go Neto, o presidente da associação. Ele re­­lata que o Brasil tem “negociações muito firmes com sete países”. O mercado norte-americano e o eu­­ro­­peu devem ser formalmente abertos até o final de setembro, afir­­ma o dirigente. “Também estamos negociando com três mercados asiáticos, Japão, China e Coréia do Sul. Pelo menos dois deles de­­vem ser abertos até dezembro”, prevê.

Carlos Francisco Gesdorf, presidente da Associação Paranaense de Suinocultores (APS), acrescenta que o Canadá, um grande produtor de suínos, está reduzindo seu plantel e que isso deve abrir lacunas no mercado internacional. “Mas não dá para afirmar que vai ser o Brasil que vai ocupar esse espaço”, frisa. Ele afirma não acreditar que o acordo comercial com os Estados Unidos, que negocia com Santa Catarina a abertura de seu mercado, possa ocorrer ainda neste ano. “Acho que vai abrir, mas não vai ser para amanhã.”

Atualmente, o Brasil é o quarto maior exportador mundial, atrás da União Europeia, dos Estados Unidos e do Canadá. O país também ocupa a mesma posição no ranking de produção, com cerca de 3 milhões de toneladas anuais. O Paraná produz perto de 500 mil toneladas, atrás de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Das pouco mais de 600 mil toneladas exportadas pelo país, aproximadamente 50 mil saem do Paraná.

Luana Gomes


Fonte: Gazeta do Povo














© Copyright 2018, Via Informação - Todos os direitos reservados
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a citação da fonte.
Site desenvolvido por Grandes Idéias

Skype: paginarural

E-mail: paginarural@paginarural.com.br

h t t p : / / w w w . p a g i n a r u r a l . c o m . b r